Médicos Sem Fronteira

Belo Horizonte

8 a 11 DE AGOSTO

O Conexões MSF esteve em Belo Horizonte de 8 a 11 de agosto. Essa edição do evento contou com a participação de 4.247 pessoas em 11 atividades gratuitas realizadas em sete pontos diferentes da cidade.

A abertura do evento foi marcada pela apresentação teatral da Cia de Teatro Luna Lunera. Na sequência, foi exibido o filme “Desculpe, me afoguei”, seguido por um bate papo entre a diretora-geral de MSF-Brasil, Ana de Lemos, e as médicas Junia Cajazeiro, Aline Calixto e Iara Czeresnia. O debate foi mediado pelo jornalista Marcos de Moura e Souza.

Ao todo, 17 profissionais de MSF participaram do evento, que contou com duas exposições fotográficas, debates, exibições de filmes e contação de histórias para crianças. Amanda Lagemann, produtora de projetos especiais de MSF, ficou entusiasmada com a edição mineira do evento. “As pessoas estavam bastante participativas, muito engajadas, e fizemos quase todas as atividades com a casa cheia. Belo Horizonte nos recebeu muito bem e superou nossas expectativas”, comentou Amanda.

Uma atividade que teve grande adesão foi o seminário de jornalismo, que reuniu 60 estudantes e profissionais de imprensa para falar sobre as questões que envolvem a cobertura jornalística de crises humanitárias. “É sempre importante lembrar que o jornalismo de qualidade pode ter um impacto positivo sobre a vida das pessoas”, afirmou Paulo Braga, coordenador de imprensa de MSF-Brasil. “Tivemos uma plateia muito participativa que, com certeza, vai aplicar estes princípios no seu trabalho cotidiano”, disse.

O Conexões também esteve em duas universidades de Belo Horizonte para debates. Na PUC, o objetivo era falar sobre os desafios na atenção em saúde para a doença de Chagas e, na UFMG, a discussão foi sobre os fluxos migratórios no contexto latino-americano.

Lucas Góes, líder da equipe Regional de Diálogo Direto, resumiu o evento com uma palavra: união. “Foi um momento de integração de MSF com o público de doadores mineiros e da equipe entre si. O Conexões mudou a nossa percepção e o nosso olhar sobre ajuda humanitária internacional em Minas Gerais”, encerrou.

Depois do evento, algumas atividades permaneceram em Belo Horizonte até o dia 22. A próxima edição do Conexões MSF será realizada em Porto Alegre, com a mesma proposta: aproximar os participantes do trabalho realizado pela organização em mais de 70 países, mostrar os desafios encontrados por nossas equipes e contar a história de nossos pacientes por meio de debates, filmes, exposições e muitas outras atividades.

Confira as fotos que registraram a sétima edição do Conexões MSF e fique ligado: em breve divulgaremos informações sobre o próximo evento.

A exibição do curta “Desculpe, me afoguei” foi seguida de um debate. Ana de Lemos, diretora-geral de MSF-Brasil (esq), Marcos de Moura e Souza, jornalista mediador e as médicas de MSF Iara Czeresnia, Junia Cajazeiro e Aline Barbosa responderam perguntas dos participantes. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Abertura

A exibição do curta “Desculpe, me afoguei” foi seguida de um debate. Ana de Lemos, diretora-geral de MSF-Brasil (esq), Marcos de Moura e Souza, jornalista mediador e as médicas de MSF Iara Czeresnia, Junia Cajazeiro e Aline Barbosa responderam perguntas dos participantes. (Foto: Lucca Mezzacappa)

José Walter Albinati (esq) e Breno Santos, atores da Cia Luna Lunera, se apresentaram na abertura do Conexões em Belo Horizonte. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Abertura

José Walter Albinati (esq) e Breno Santos, atores da Cia Luna Lunera, se apresentaram na abertura do Conexões em Belo Horizonte. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Performance da Cia Luna Lunera na abertura do Conexões em Belo Horizonte, com Breno Santos (esq) e José Walter Albinati. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Abertura

Performance da Cia Luna Lunera na abertura do Conexões em Belo Horizonte, com Breno Santos (esq) e José Walter Albinati. (Foto: Lucca Mezzacappa)

As médicas Junia Cajazeiro (esq) e Iara Czeresnia e o administrador Marcos Leitão participaram de um debate após a exibição do filme Affliction e falaram sobre o Ebola na África Ocidental. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Exibição Filme Affliction

As médicas Junia Cajazeiro (esq) e Iara Czeresnia e o administrador Marcos Leitão participaram de um debate após a exibição do filme Affliction e falaram sobre o Ebola na África Ocidental. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Junia Cajazeiro (esq) e Iara Czeresnia, médicas, e o administrador Marcos Leitão responderam perguntas sobre o Ebola na África Ocidental. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Exibição Filme Affliction

Junia Cajazeiro (esq) e Iara Czeresnia, médicas, e o administrador Marcos Leitão responderam perguntas sobre o Ebola na África Ocidental. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Junia Cajazeiro (esq) e Marcos Leitão (dir) fizeram uma dinâmica com uma voluntária da plateia (centro) e mostraram as dificuldades de trabalhar com o equipamento de proteção em surtos de doenças altamente contagiosas como o Ebola. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Exibição Filme Affliction

Junia Cajazeiro (esq) e Marcos Leitão (dir) fizeram uma dinâmica com uma voluntária da plateia (centro) e mostraram as dificuldades de trabalhar com o equipamento de proteção em surtos de doenças altamente contagiosas como o Ebola. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Vicente Brison, recrutador de MSF, esteve no Salão Nobre da Faculdade de Medicina da UFMG para tirar dúvidas sobre o trabalho em MSF e explicou como funciona o processo de recrutamento. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Trabalhe com MSF

Vicente Brison, recrutador de MSF, esteve no Salão Nobre da Faculdade de Medicina da UFMG para tirar dúvidas sobre o trabalho em MSF e explicou como funciona o processo de recrutamento. (Foto: Lucca Mezzacappa)

No Salão Nobre da Faculdade de Medicina da UFMG, o recrutador de MSF, Vicente Brison, tirou dúvidas sobre o trabalho em MSF e explicou como funciona o processo de recrutamento. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Trabalhe com MSF

No Salão Nobre da Faculdade de Medicina da UFMG, o recrutador de MSF, Vicente Brison, tirou dúvidas sobre o trabalho em MSF e explicou como funciona o processo de recrutamento. (Foto: Lucca Mezzacappa)

A Cia AbraPalavra apresentou enredos lúdicos adaptados e inspirados no trabalho de MSF para as crianças em Belo Horizonte. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Contação de histórias

A Cia AbraPalavra apresentou enredos lúdicos adaptados e inspirados no trabalho de MSF para as crianças em Belo Horizonte. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Juan Cubides, epidemiologista de MSF (esq), Silvana Maria Eloi Santos, professora do Departamento de Propedêutica Complementar da Faculdade de Medicina da UFMG, Marina Siqueira, Assistente de Advocacy de MSF e Antônio Ribeiro, Coordenador da Rede de Teleassistência de Minas Gerais e do Centro de Telessaúde do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) falaram sobre os desafios da atenção em saúde para a doença de Chagas no Brasil. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Debate sobre doença de Chagas

Juan Cubides, epidemiologista de MSF (esq), Silvana Maria Eloi Santos, professora do Departamento de Propedêutica Complementar da Faculdade de Medicina da UFMG, Marina Siqueira, Assistente de Advocacy de MSF e Antônio Ribeiro, Coordenador da Rede de Teleassistência de Minas Gerais e do Centro de Telessaúde do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) falaram sobre os desafios da atenção em saúde para a doença de Chagas no Brasil. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Mesa de debate sobre os fluxos migratórios no contexto latino-americano, com Gisela Zapata (esq), Professora Adjunta do Departamento de Demografia da UFMG; Dimitri Fazito, Professor Adjunto do Departamento de Sociologia da UFMG; Nuni Jorgensen, demógrafa de MSF-Brasil; Duval Fernandes, Professor do Programa em Pós-graduação em Geografia da PUC Minas; Juliana Rocha, Assessora Jurídica do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados e professora da Pós-graduação em Cidadania e Direitos Humanos da  PUC Minas. (Foto: MSF)

Debate sobre Migrações

Mesa de debate sobre os fluxos migratórios no contexto latino-americano, com Gisela Zapata (esq), Professora Adjunta do Departamento de Demografia da UFMG; Dimitri Fazito, Professor Adjunto do Departamento de Sociologia da UFMG; Nuni Jorgensen, demógrafa de MSF-Brasil; Duval Fernandes, Professor do Programa em Pós-graduação em Geografia da PUC Minas; Juliana Rocha, Assessora Jurídica do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados e professora da Pós-graduação em Cidadania e Direitos Humanos da PUC Minas. (Foto: MSF)

Paulo Braga, coordenador de relações com a imprensa de MSF-Brasil falou sobre as diversas questões que envolvem a cobertura de crises humanitárias no Seminário de Jornalismo. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Seminário de Jornalismo

Paulo Braga, coordenador de relações com a imprensa de MSF-Brasil falou sobre as diversas questões que envolvem a cobertura de crises humanitárias no Seminário de Jornalismo. (Foto: Lucca Mezzacappa)

A exposição convidou os visitantes a escaparem de um labirinto onde os caminhos mostram as dificuldades extremas enfrentadas por refugiados, deslocados internos e solicitantes de asilo no mundo todo. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Exposição Pessoas em Movimento

A exposição convidou os visitantes a escaparem de um labirinto onde os caminhos mostram as dificuldades extremas enfrentadas por refugiados, deslocados internos e solicitantes de asilo no mundo todo. (Foto: Lucca Mezzacappa)

Na exposição fotográfica, imagens convidaram o público a enxergar situações negligenciadas vividas por pessoas que enfrentam a invisibilidade, em contextos onde Médicos Sem Fronteiras atua. (Foto: MSF)

Exposição Fotográfica

Na exposição fotográfica, imagens convidaram o público a enxergar situações negligenciadas vividas por pessoas que enfrentam a invisibilidade, em contextos onde Médicos Sem Fronteiras atua. (Foto: MSF)

Pilar Magnavita, assessora de imprensa de MSF-Brasil (esq), Ana de Lemos, diretora-geral de MSF-Brasil, Junia Cajazeiro, médica e Marina Barardi, enfermeira, participaram de um bate-papo com doadores de MSF em  Belo Horizonte. (Foto: MSF)

Evento para Doadores

Pilar Magnavita, assessora de imprensa de MSF-Brasil (esq), Ana de Lemos, diretora-geral de MSF-Brasil, Junia Cajazeiro, médica e Marina Barardi, enfermeira, participaram de um bate-papo com doadores de MSF em Belo Horizonte. (Foto: MSF)

Atividades

O Conexões MSF inclui exposições, seminário, filmes e conversas, além de uma intervenção artística num muro da cidade. Todas as atividades são gratuitas e distribuídas em diferentes horários e locais para promover uma conexão entre você e a ajuda humanitária.

Sala de
  Imprensa

Aqui você pode encontrar todas as informações sobre o Conexões e entrar em contato com a nossa Assessoria de Imprensa.

Acessar

Parceiros

Edições Anteriores

Veja o que aconteceu nas edições anteriores do Conexões MSF.